Como sempre entregar seu projeto open source com qualidade

Você tem então seu projeto open source no Github e quer deixá-lo disponível para uso enquanto ele evolui. Isso é muito importante porque o quanto antes ele é utilizado, novas funcionalidades são testadas, bugs são encontrados, mais rápido o software melhora a cada dia. Os usuários podem ter novidades, que agreguem valor, constantemente, e os colaboradores do projeto podem ter o feedback necessário na mesma velocidade. Você pode até não saber o nome, mas o que você quer é implementar um processo de integração e entrega contínuas no ciclo de desenvolvimento do seu software, prática de quem adota DevOps.

O Github se integra a vários serviços distintos de integração contínua. Eles podem ser vistos em http://bit.ly/2yx6k9h. No exemplo dado aqui hoje vamos optar pelo Travis CI, gratuito para projetos open source. O projeto é o Logistics, uma aplicação Java EE (agora EE4J) que roda no Wildfly e usa um banco de dados MongoDB.

O Travis CI requer um arquivo no repositório, chamado .travis.yml. Um exemplo básico dele e mais informações para começar a usar o serviço podem ser visualizados em Getting started. Vamos conferir agora o que o .travis.yml do projeto Logistics instrui o Travis CI a fazer, sempre que um push é feito. Detalhes de como personalizar o processo pode ser conferido em Customizing the Build.

language: java
sudo: required
install: true

services:
  - docker

addons:
  sonarcloud:
    organization: "gustavomcarmo-github"

jdk:
  - oraclejdk8

script:
  - mvn clean org.jacoco:jacoco-maven-plugin:prepare-agent package sonar:sonar
  - docker build --tag=esignbr/logistics .

cache:
  directories:
    - '$HOME/.m2/repository'
    - '$HOME/.sonar/cache'

after_success:
  - "curl -T logistics-ear/target/logistics-ear-1.0-SNAPSHOT.ear -u $FTP_USER:$FTP_PASSWORD ftp://esign.com.br/appservers/wildfly-10.0.0.Final/standalone/deployments/"
  - docker login -u="$DOCKER_USERNAME" -p="$DOCKER_PASSWORD"
  - docker push esignbr/logistics

Definindo a linguagem de programação

É o primeiro passo, logo na linha inicial. No caso do projeto Logistics, é Java, mas poderia ser Python ou NodeJS. Nas linhas 12 e 13, é possível ainda especificar qual JDK será utilizada. Para compilar a aplicação, é necessária a versão 8.

Gerando os artefatos Java

Para implantar a aplicação Logistics no Wildfly, geramos o arquivo EAR, contendo o JAR do módulo backend do projeto (logistics-ejb) e o WAR do módulo frontend (logistics-web). Para isso, usamos o Maven, responsável essencialmente pela compilação, pela execução dos testes unitários e pelo empacotamento (package) necessário para a entrega. O Maven permite também a utilização de plugins, que estendem sua funcionalidade. Na linha 16 instruímos o Travis CI a executar o Maven (mvn) passando como parâmetro as tarefas a serem desempenhadas por ele.

Avaliando a qualidade do código

O Travis CI tem integração com o SonarCloud, instância do SonarQube na nuvem, disponível para avaliar projetos open source. O SonarQube é uma excelente ferramenta para analisar continuamente a qualidade do código Java e também de outras linguagens de programação. Ela tem uma funcionalidade chamada Quality Gate, que permite que critérios específicos de qualidade sejam definidos para considerar a aplicação apta para entrega. O Quality Gate usado pelo projeto Logistics é o default da ferramenta.

Para integrar ao Travis CI, primeiro é preciso se registrar no SonarCloud e criar um token de autenticação lá. Nas linhas 8 a 10 é configurado o addon do SonarCloud. Observe que é informada a organização que o identifica no serviço, mas não o token. O token é informado no Travis CI como variável de ambiente (SONAR_TOKEN), para não ficar explícito no arquivo .travis.yml.

Uma vez plugado o SonarCloud, basta instruir o Travis CI a rodar a análise do código fonte. Como estamos usando o Maven, e o plugin do SonarQube para o Maven, basta passar como parâmetro para o comando mvn a tarefa sonar:sonar.

Além disso, é preciso analisar a cobertura dos testes unitários, pois é critério de qualidade definido no Quality Gate padrão do SonarQube. Neste caso, usamos o JaCoCo, e seu plugin para o Maven, que executamos anteriormente à análise do SonarQube, ao passar org.jacoco:jacoco-maven-plugin:prepare-agent para o comando mvn.

Mais sobre a integração do SonarCloud ao Travis CI pode ser visto em Using SonarCloud with Travis CI. Os resultados das análises do código fonte da aplicação Logistics realizadas pelo SonarQube podem ser visualizados em https://sonarcloud.io/dashboard?id=br.com.esign%3Alogistics.

Gerando a imagem Docker

Uma alternativa à geração do EAR, que precisa ser implantado numa instância do Wildfly específica, é gerar a imagem Docker da aplicação com o Wildfly e a própria aplicação já embutidos. Neste caso, a aplicação e tudo que ela depende pra ser executada é empacotado junto numa imagem. Para rodar a aplicação, basta então rodar a imagem numa máquina que tiver o Docker instalado.

Para construir a imagem da aplicação Logistics, usamos como base a imagem jboss/wildfly, aplicamos a configuração necessária para acesso ao MongoDB, e implantamos o EAR gerado, conforme definido no Dockerfile. A construção é realizada na linha 17 do arquivo .travis.yml, a partir do comando docker build. A execução de comandos Docker é possível com a utilização do serviço informada nas linhas 5 e 6 e definindo o sudo como required, como aparece na linha 2. Mais informações de como usar o Docker no Travis CI podem ser visualizadas em Using Docker in Builds.

Entregando efetivamente o software

Após analisada a qualidade do software e gerados os artefatos necessários, a entrega pode efetivamente ocorrer. No arquivo .travis.yml, isso é definido em after_success (linha 24).

Primeiramente, o EAR é colocado via FTP no diretório de deployments do Wildfly que fica no nosso domínio (esign.com.br), como pode ser observado na linha 25. As credenciais para acesso ao nosso servidor são por questões de segurança obtidos de variáveis de ambiente. Com este deploy automático, estamos sempre disponibilizando a versão mais nova da aplicação em http://www.esign.com.br/logistics.

Por último, subimos para o Docker Hub a imagem Docker, como pode ser verificado nas linhas 26 e 27. As credenciais para login no Docker Hub são por questões de segurança também obtidos de variáveis de ambiente (linha 26). Com o push automático (linha 27), a última versão da imagem, com a última versão da aplicação, estará sempre disponível para download e execução em máquinas com Docker. O repositório da imagem no Docker Hub é https://hub.docker.com/r/esignbr/logistics.

Otimizando o tempo de build

O Travis CI permite ainda algumas configurações que fazem diminuir o tempo de build. Na linha 3 do .travis.yml, por exemplo, é desabilitada a etapa de resolução das dependências, quando normalmente muitos downloads acontecem. Além disso, com a definição do uso de cache (linhas 19 a 22), o Travis CI sabe onde buscar as dependências outrora baixadas, eliminando assim o download desnecessário.

À medida que o software cresce, é normal que o tempo de build aumente. Não são apenas mais linhas de código, mas novos testes unitários são realizados. De toda forma, é preciso acompanhar e controlar o tempo de build, para manter todo o processo saudável. Não se esqueça que o objetivo é ter feedbacks rápidos. Caso aumente demais, considere dividir o projeto. No caso do Logistics, os builds podem ser vistos em https://travis-ci.org/esign-consulting/logistics.

Conclusão

Esperamos que com este post você consiga implantar um pipeline de entrega do seu projeto open source. Mais do que isso, que você possa evoluí-lo e compartilhá-lo com a comunidade e conosco também. Nunca se esqueça que compartilhando nossas soluções é que mantemos sempre forte o movimento open source.

O que Yin-yang tem a ver com DevOps e você deveria saber à respeito

Na filosofia chinesa, o Yin-yang representa a dinâmica entre forças opostas complementares e interconectadas. O yin representa a força negativa, escura, e o yang representa a positiva, clara. Uma força não pode existir sem a outra, elas são inseparáveis.

O pequeno ponto dentro de cada metade do símbolo do Yin-yang representa a natureza relativa de cada força, o potencial de uma se transformar na outra. Ambas estão em constante oscilação, numa luta sem fim pelo equilíbrio. Elas formam um sistema em que o todo é maior que as partes reunidas.

O yin e o yang regem juntos tudo. O caos e a ordem, a noite e o dia, você pode encontrar ambos em todos os lugares. Eles representam o ritmo de tudo que experimentamos, num fluxo contínuo e harmônico. Tal movimento eterno reflete a essência do universo.

Ok, o que Yin-yang tem a ver com DevOps então?

Bem, assim como o Yin-yang, o DevOps também apresenta conflitos entre forças distintas, times especializados, através de todo o processo de desenvolvimento e entrega de software. À primeira vista, você poderia adivinhar quem seriam os vilões e os mocinhos da estória, e rotulá-los como yin ou yang. De todo modo, por mais incrível que pareça, a verdade é que todos são importantes, e se complementam.

Na teoria, regulação, conformidade, auditoria, segurança, estabilidade, estariam do lado yin, e inovação, evolução, mudança, autonomia, agilidade, estariam do lado yang. É muito comum que quem cuide de um aspecto ou outro tenda a reclamar do que os pares do outro lado fazem, mas a verdade é que todos tem a sua importância no todo.

O DevOps traz essa visão holística, e encoraja as empresas a fazerem mudanças globais nas usas correntes de valor, ao invés de mudanças localizadas, para ter aumento de performance. O segredo é colocar o peso correto em cada força, de uma forma tal que se tenha ganho de velocidade ao mesmo tempo que os riscos sejam devidamente controlados. Como no Yin-yang, as forças no DevOps são inseparáveis.

Imagine de outra maneira estabilidade sem mudança, por exemplo. Nesse cenário, não haveria espaço para crescimento, tudo ficaria paralisado. Por outro lado, mudança sem estabilidade seria arriscado demais. Cabe totalmente à empresa a busca contínua pelo equilíbrio correto entre as forças, para se ter o melhor da soma delas, ou não.

Adotar DevOps é não é uma tarefa simples, pois as empresas são forçadas a olhar para dentro e a lidar com o que elas tem de pior, e melhor. Elas podem escolher ou não dar o próximo passo, e minimizar o que as atrapalha a conseguir maiores níveis de performance. São elas que ditam o seu próprio ritmo, no final das contas. O mesmo ritmo que tanto o Yin-yang quanto o DevOps representam.

Conclusão

Se sua empresa está adotando DevOps, a transformação cultural também é sua responsabilidade. Tenha a cabeça aberta e se coloque no lugar dos outros. Tenha consciência do impacto que você provoca, e tenha atitudes colaborativas. Lembre-se que nada é totalmente ruim (yin), nem totalmente bom (yang), então esteja à disposição para aprender, e mudar. Nós estamos todos no mesmo barco.

Este texto foi traduzido de https://www.linkedin.com/pulse/what-yin-yang-has-do-devops-you-should-know-gustavo-muniz-do-carmo pelo próprio autor.

Como fazer todos definitivamente entenderem o que DevOps realmente é

Mesmo depois de anos da existência do conceito, por que ele ainda é tão incompreendido? Eu acredito já ter ouvido todas as explicações, mas pra mim existe uma explicação simples, a única delas, que captura a essência do significado:

O objetivo do DevOps é minimizar o time-to-market para entregar o quanto antes valor ao cliente.

Um chamado de alerta

Imagine então o quanto de esforço que uma empresa precisa ter para atingir este objetivo? Ok, este esforço está relacionado à utilização das ferramentas e das práticas corretas, mas além disso, e mais importante, está relacionado à construção da cultura correta. E isso não é responsabilidade da TI sozinha, o principal pré-requisito da adoção do DevOps é ter toda a empresa comprometida em alcançar o objetivo!

A menos que os executivos C-Level entendam isso, e promovam a transformação na empresa como um todo, ela só terá DevOps parcialmente. Pior, o objetivo pode não ser conquistado, caso todo o esforço esteja concentrado somente no departamento de TI. DevOps deve começar na TI? Certamente, e na verdade é o que geralmente ocorre. De todo modo, sem escalar a adoção para a empresa, não existe a garantia de se obter todos os benefícios.

Os três princípios do DevOps

Depois de fazer este tipo de chamado de alerta para posicionar DevOps como uma questão corporativa, deixe-me aprofundar um pouco no conceito. Bem, DevOps, influenciado pela filosofia Toyota Way e pelo movimento Lean, é suportado por três princípios, os três caminhos: otimização de fluxo (primeiro caminho), ciclos rápidos de feedback (segundo caminho) e aprendizado contínuo (terceiro caminho). A figura abaixo mostra os três caminhos:

O primeiro caminho, otimização de fluxo

O primeiro caminho, otimização de fluxo, objetiva eliminar desperdícios, gargalos no processo, transferências entre times funcionais especializados, tempos de espera. A automatização é chave, usada extensivamente na implementação de práticas tais como integração contínua, entrega contínua e implantação contínua. As necessidades dos clientes são atendidas o mais cedo possível, após identificadas pelo negócio.

Observe que o primeiro caminho é sobre o processo como um todo, desde a identificação da necessidade do cliente (esquerda) até o ponto em que ela é atendida (direita). Em outras palavras, desde o momento que a demanda nasce até a implantação da nova funcionalidade no ambiente de produção. Na verdade, a demanda percorre times diferentes de departamentos diversos, incluindo, de forma não exclusiva, a TI.

O segundo caminho, ciclos rápidos de feedback

O segundo caminho, ciclos rápidos de feedback, objetiva resolver problemas o quanto antes, medindo o processo inteiro, testando tudo, alertando assim que uma falha é detectada. A monitoração é chave, permitindo rápidos feedbacks à respeito da qualidade do software, assim como da sua entrega e, acima de tudo, do valor que ele traz para os clientes. O segundo caminho segue a ideia do andon cord da Toyota.

Observe que a qualidade é responsabilidade de todos através do processo, não apenas papel de um time de QA. A qualidade é medida desde o início e, depois de tudo, precisa representar valor para os clientes. Feedbacks ficam constantemente gerando informações relevantes para o sistema, incluindo aquelas que avaliam novas funcionalidades. Isto quer dizer que funcionalidades podem ser removidas do software, se não traduzirem valor real aos clientes. Com feedbacks rápidos, o negócio consegue falhar rápido, e logo retomar o rumo, caso necessário.

O terceiro caminho, aprendizado contínuo

O terceiro caminho, aprendizado contínuo, objetiva gerar conhecimento, através da experimentação. Ao invés de considerar que tudo está certo, hipóteses são formuladas, para serem comprovadas. O sistema inteiro é sujeito a melhoria, a adaptações. O terceiro caminho segue a ideia do processo científico.

Observe que o terceiro caminho requer uma boa dose de humildade, flexibilidade e coragem. Humildade porque a empresa precisa reconhecer que nem sempre está certa, flexibilidade porque a empresa precisa poder mudar, e coragem porque a empresa precisa assumir riscos. E isso tem tudo a ver com livrar-se da cultura da culpa e alavancar a colaboração e o compartilhamento de conhecimento.

Conclusão

Se alguém perguntar pra você o significado de DevOps, ou pedir pra você fazer uma apresentação à respeito, por favor conte a história completa. Não cometa o erro de deixar de lado a parte mais difícil, a que DevOps requer uma transformação cultural. Sim, eu sei, todos querem aprender as ferramentas e as práticas para ganhar agilidade, mas você deve mostrá-los que antes é preciso uma mudança de pensamento. Não há saída.

Este texto foi traduzido de https://www.linkedin.com/pulse/how-definitely-make-everyone-understands-what-devops-muniz-do-carmo pelo próprio autor.

Fim do Post Denúncia

É com tristeza que anunciamos o fim do Post Denúncia, e consequentemente do Mapa Brasileiro de Qualidade do Ar. As denúncias de fumaça preta feitas no estado de São Paulo através do aplicativo Post Fumaça Preta não serão mais encaminhadas para a CETESB, e não serão mais coletados os dados de qualidade do ar publicados pelos diversos órgãos que possuem rede de monitoramento. O aplicativo não pode ser mais baixado da Apple Store ou do Google Play, e o site em breve será desligado.

Entendemos que não houve interesse da comunidade em participar do projeto, mesmo após a abertura do código fonte no Github. E também que não houve interesse na disseminação das informações de qualidade do ar em aplicativos ou sites a partir do uso da nossa plataforma. Diante deste cenário, e considerando ainda os custos envolvidos, optamos por retirar o serviço de operação. Caso queira ter acesso aos dados, ou de alguma forma retomar o projeto, por favor envie um email para contato@esign.com.br.

Termômetro da cultura

O manifesto ágil defende que indivíduos e interações devem ser priorizados em relação a processos e ferramentas. A cultura organizacional é, portanto, preponderante para a adoção de práticas ágeis. Nesse processo, é imprescindível identificar barreiras culturais para a colaboração e a comunicação, requisitos da agilidade.

Uma dica para reconhecer tais barreiras é prestando atenção ao que é falado entre as pessoas no dia-a-dia de trabalho. É possível perceber frases repetidas regularmente, tão repetidas que acabam por estabelecer o comportamento padrão. Novos funcionários assumem a postura e o discurso sem muito questionamento (veja a história dos 5 macacos).

Identificar estas frases ajuda a tornar a cultura consciente. Só através dessa consciência ela pode ser compreendida e mudada. Por isso estamos realizando a pesquisa “Termômetro da cultura”, para medir a cultura a partir das frases mais ouvidas e faladas, e daí desenvolver melhores estratégias para a adoção da agilidade nas empresas.

Apesar da nossa pesquisa ser aberta a participantes de empresas distintas, ela pode ser adaptada e aplicada internamente em qualquer empresa. Certamente o resultado dará maior clareza de como os indivíduos interagem e servirá de insumo para a transformação organizacional necessária para a empresa se tornar efetivamente ágil.

Participe da pesquisa! 🙂

Crie seu próprio questionário de feedback de usuário

Como adicionar o mapa de qualidade do ar no seu site ou app

O mapa de qualidade do ar existente no aplicativo Post Fumaça Preta também pode ser disponibilizado no seu site ou aplicativo. Melhor, ele é configurável para apresentar, por exemplo, dados de uma cidade apenas, ou das proximidades de um ponto qualquer do Brasil. Basta passar parâmetros específicos, conforme explicado mais abaixo.

Para adicionar o mapa no seu site, será preciso usar iframes. Neste post, os exemplos serão apresentados desta forma. Para adicionar no seu app, basta abrir no componente browser a URL origem do mapa, acompanhada ou não de parâmetros. Quando não acompanha parâmetros, o mapa mostra o país inteiro, o que poderia ser a visualização inicial desejada.

<iframe src="https://www.postdenuncia.com.br/postfumacapreta/qualidadear.html"/>

Para apresentar somente os dados de qualidade do ar do estado do Rio de Janeiro, adicione ?estado=RJ à URL base. O parâmetro estado aceita qualquer sigla de unidade federativa brasileira. Quando não existem dados de qualidade do ar para a o filtro informado, é sempre apresentado todo o país. No caso do estado do Rio, dados obtidos do INEA e da SMAC são mostrados.

<iframe src="https://www.postdenuncia.com.br/postfumacapreta/qualidadear.html?estado=RJ"/>

Uma alternativa à filtrar por estado, seria filtrar por cidade. Sugestão para sites ligados a municípios, como os de prefeituras. Os dados de qualidade do ar da cidade de Curitiba, capital do Paraná, podem ser apresentados adicionando-se ?cidade=Curitiba à URL base. No momento deste post, são cinco as estações de monitoramento lá, conforme o IAP.

<iframe src="https://www.postdenuncia.com.br/postfumacapreta/qualidadear.html?cidade=Curitiba"/>

Um modo interessante de mostrar o mapa é identificando um ponto para apresentar os dados de qualidade do ar nas proximidades. Neste modo, o ponto é destacado, e as cinco estações de monitoramento mais perto do ponto são identificadas pelas letras A a E, sendo A a estação mais próxima e E a mais afastada do ponto. Quando a estação é selecionada, pode-se conhecer ainda a distância da estação para o ponto. Este tipo de visualização é usada pelo aplicativo Post Fumaça Preta, que identifica o ponto conforme a localização do usuário.

Se você quer mostrar no seu site, por exemplo, a qualidade do ar das redondezas do Estádio do Pacaembu, na cidade de São Paulo, pode definir a Praça Charles Miller como ponto. Assim sendo, basta adicionar ?endereco=Pra%C3%A7a%20Charles%20Miller à URL base. Esta é uma boa alternativa se você não sabe as coordenadas exatas do lugar. Experimente informando seu endereço residencial, lembrando apenas antes de transformá-lo em ASCII.

<iframe src="https://www.postdenuncia.com.br/postfumacapreta/qualidadear.html?endereco=Pra%C3%A7a%20Charles%20Miller"/>

Agora, se você conhece a latitude e a longitude de determinada localização, como da Vila Olímpica do Rio de Janeiro, por exemplo, adicione à URL base o seguinte: ?latitude=-22.985790&longitude=-43.416969. Lembre-se que ambos os parâmetros precisam ser passados em conjunto. Como os smartphones possuem função GPS, é uma excelente opção filtrar pela localização do usuário.

<iframe src="https://www.postdenuncia.com.br/postfumacapreta/qualidadear.html?latitude=-22.985790&longitude=-43.416969"/>

Fique à vontade para adicionar o mapa! Ajudando a disseminar os dados de qualidade do ar, você chama a atenção ao problema da poluição. Com mais pessoas conscientes do problema, mais gente envolvida na solução, mas chance de o resolvermos. Se tiver qualquer dificuldade, não hesite em pedir ajuda 🙂

Edição feita em 24/02/2017: Com o fim do Post Denúncia, os links dos iframes não funcionam mais. Por isso, os iframes deste post foram substituídos pelas imagens correspondentes.

Post Denúncia na trilha Smart Cities do TDC 2016 São Paulo

Na semana passada estive no The Developers Conference falando um pouco sobre a experiência do Post Denúncia, do aplicativo Post Fumaça Preta e do Mapa Brasileiro de Qualidade do Ar. Foi muito bom! Agradeço a oportunidade aos coordenadores da trilha Smart Cities: Jeff Prestes, Alexandre Uehara e Lina Lopes, e a todos os participantes. Tiveram muitas perguntas, que geraram um debate bacana, mesmo com o tempo escasso. Quem quiser continuar a discussão, se envolver com os projetos, fiquem à vontade, é só entrar em contato!

O objetivo da apresentação foi principalmente mostrar os fracassos e sucessos durante estes 3 anos de Post Denúncia, os sonhos que permanecem com o esforço de evoluí-lo, e engajar os desenvolvedores por meio da colaboração. O Post Denúncia nasceu com a motivação de se fazer a diferença na sociedade, e o desejo com a palestra foi mostrar que é possível sim que a comunidade de desenvolvedores use o domínio da tecnologia em prol de um mundo melhor.

 

Acima está a apresentação feita lá, e que foi publicada no SlideShare. No slide sobre o Post Denúncia, foi mostrado o vídeo institucional, publicado no YouTube, aqui. No slide sobre o aplicativo Post Fumaça Preta, foi mostrado o mapa online com todas as denúncias feitas através do app no estado de São Paulo e, portanto, encaminhadas para a CETESB. Este mapa também pode ser visto aqui. No slide sobre o Mapa Brasileiro de Qualidade do Ar, ele foi mostrado da mesma forma somente com as informações do estado de São Paulo, como pode ser visualizado aqui. Caso queira fazer o download do arquivo PowerPoint, ele está disponível aqui.

Por fim, tirada do livro Fearless Change: Patterns for Introducing New Ideas, de Mary Lynn Manns e Linda Rising, deixo a mesma mensagem: “Remember how powerful you are. Never forget the power of the individual to make a difference. Enroll people in that possibility and change the world, change your community, change your family, change yourself.” (President Carter)

Antes da mudança

Imagine uma empresa tradicional, de mais de 20 anos, hierárquica, burocrática, com muitas áreas, a média de tempo de casa é maior do que 10 anos. Imagine também que o sistema disponibilizado ao cliente é um grande monolito, um backlog leva cerca de 6 meses pra chegar à produção, o processo todo tem diversos gargalos.

Apesar das dificuldades, novos produtos são colocados no mercado com sucesso, o relacionamento com os clientes é ótimo. A concorrência não é tão forte então a ideia de que está tudo bem permanece. O esforço pra entregar software é alto mas, mal ou bem, no final das contas dá tudo certo, e parece que todos se satisfazem com o resultado.

Por conta dessa sensação de estabilidade, existe uma alta resistência à mudança. Iniciativas de inovação ocorrem, é verdade, mas normalmente não recebem a atenção necessária. Muitos empecilhos aparecem para a adoção, multiplicados à complexidade e ao custo e ao risco e a não sei mais o quê. Afinal, “em time que está ganhando não se mexe”.

Não mais que de repente, ameaças começam a surgir: startups que focam na fatia de mercado negligenciada, tecnologias disruptivas que prometem derrubar a tecnologia dominante, modelos de negócio que põem em risco os modelos já estabelecidos, empresas maiores interessadas em aquisição para aumentar o market share. Todos são surpreendidos.

É preciso reagir, mas parece que a empresa perdeu a habilidade de responder rápido. Todo mundo trabalha a tanto tempo da mesma forma, e com um efeito positivo, que é difícil até reconhecer o que pode estar errado. Talvez o mais fácil seja apontar os culpados em outras áreas, na esperança de proteger os seus. Frente à nova perspectiva, negação.

A realidade vai se desenhando aos poucos, os riscos cada vez mais iminentes, e a empresa ainda sem se adequar. A cultura é muito forte, e não se muda de uma hora pra outra. Mesmo com sinalizações claras de que é preciso fazer algo o quanto antes, prefere-se esperar um pouco mais, pra “ver no que vai dar”. Diante da necessidade de mudar, protelação.

Se você se identificou de algum modo com essa resumida história, por favor coloque suas impressões. É fato que ela poderia se desenrolar por caminhos distintos, mas acredito que todos apontariam para uma inevitável mudança corporativa, de um jeito ou de outro, você deve concordar. Vou parar por aqui, fiquemos com a imaginação do que vem depois 🙂

Open Data

opendata

Com o advento da Internet, e a Era da Informação, surgiu um movimento para a abertura dos dados. Este movimento defende o acesso irrestrito a dados, sua utilização e reprodução. Ganhou força com a disponibilização de dados públicos por vários governos, em prol da transparência. Para criarmos o mapa brasileiro da qualidade do ar, recorremos aos que diversos órgãos ambientais atualizam em seus sites.

Embora tenhamos tido o cuidado de informar sobre a constante extração dos dados para consolidação numa base de dados própria, nem sempre a resposta foi positiva. Nossa justificativa sempre foi o entendimento da natureza pública do dado, e a importância em disseminá-lo, mas nem todos os órgãos se sentiram confortáveis com a visibilidade dada, talvez preocupados com possíveis questionamentos.

Dados abertos não são só importantes para replicação, como fazemos hoje no mapa, que inclusive cita como fonte o órgão origem. Dados abertos são imprescindíveis para, após trabalhados, gerar conhecimento, e agregar valor. Os dados de qualidade do ar combinados com os dados de atendimento de pessoas com problemas respiratórios em hospitais públicos, por exemplo, podem indicar o quanto a poluição prejudica a saúde.

A bem da verdade, existe mesmo uma controvérsia com relação às classificações de qualidade do ar adotadas no país. Os profissionais da saúde as consideram pouco rigorosas, pois não seguem as recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde), levando a população a achar que a qualidade do ar está boa, quando na realidade não está. Além disso, argumentam que o cálculo dos índices não é claro, e contestam fatores econômicos porventura usados.

Ao recorrer a dados abertos, é preciso estar ciente que, independentemente da origem, eles podem não ser exatos. Pode existir um grau de imprecisão, o que não os necessariamente desqualifica. Mesmo se os dados fossem obtidos de sensores portáteis, espalhados pela cidade, fatores como as condições físicas do equipamento, sua aferição e a própria transmissão dos dados implicariam numa maior ou menor confiabilidade.

Outro ponto de atenção no uso de dados abertos é a dependência ao formato origem. Quando não existe um padrão, e a fonte pode adotar o formato que quiser, a qualquer tempo, complica. Isto quer dizer que a extração desenvolvida especificamente para aquela origem pode deixar de funcionar de uma hora pra outra, simplesmente porque a fonte resolveu mudar a vírgula de lugar. Normalmente não se conhece quem consome os dados, e não existe o menor compromisso em comunicar qualquer alteração. Monitore, portanto, cada mecanismo automático de extração de dados abertos.

Um formato ruim para extrair dados é o PDF. No vídeo do TED abaixo Ben Wellington fala sobre isso, sobre como a falta de padronização atrapalha, e sobre como descobriu o pior lugar para se estacionar em Nova Iorque:

Colaboração

Resolvi fazer uma pausa na série de posts sobre ferramentas de testes para falar um pouco sobre colaboração. Esse assunto aparece cada vez mais nas empresas, mas ao mesmo tempo que vem como a solução de muitos problemas, não me parece ser bem compreendido, e por vezes parece assustar, e cria resistências.

Isso porque colaboração exige uma mudança de mentalidade, de comportamento, e a grande maioria das empresas brasileiras é muito hierarquizada, e dividida em silos. E isto faz com que geralmente as pessoas busquem se defender, mais do que se ajudarem. Pior ainda quando a ajuda é interpretada como ameaça.

Quando se colabora, de verdade, os muros deixam de existir. São construídas pontes. Todos entendem que estão no mesmo barco e, no fim, o que importa mesmo é o cliente, e só. Os problemas passam a ser de todos, qualquer um pode se envolver na solução. Ninguém espera demanda, todos trabalham para entregar valor.

Não é à toa que muitas empresas tem buscado criar uma cultura colaborativa. Normalmente, a colaboração é a saída para sobreviver, em mercados cada vez mais competitivos. Quando o negócio corre risco, a colaboração vem para agilizar processos, inovar, e até criar negócios novos, se reinventar, com o foco exclusivo no cliente.

Numa cultura colaborativa, os erros são encarados com normalidade, o aprendizado é estimulado, o conhecimento é compartilhado, a experiência é dividida. As pessoas podem ter suas especialidades, mas acabam evoluindo em outras disciplinas como consequência da integração com outras áreas. O potencial das pessoas é valorizado, e desenvolvido.

Não adianta ter a colaboração como valor da empresa, estampada em apresentações corporativas, se ela não é adotada na prática, não é vivida. Ela requer o compromisso individual, engajamento, e até proteção. A mudança de hábito não se obtém de um dia para o outro, é um processo, com alto e baixos, mas que precisa de disciplina, pra virar realidade.

O benefício claro da colaboração, além dos resultados nos negócios, é a motivação das pessoas, é a satisfação de fazer parte de um time que agrega valor ao cliente, é o propósito. Cada pessoa sabe a importância do seu trabalho, sabe que sua participação é fundamental para o resultado final. A colaboração empodera as pessoas, as torna mais felizes.

Estamos vivendo uma época em que a colaboração cresce exponencialmente na sociedade. Informação disseminada, redes sociais, economia compartilhada, o indivíduo saiu do anonimato para marcar presença no mundo, para mudar o mundo. As empresas precisam se ajustar à esse novo momento, ou ficarão pra trás.

A figura abaixo foi tirada do post do blog do Tanmay Vora que comenta um excelente post do Aaron Sachs e do Anupam Kundu, da ThoughtWorks, falando justamente da mudança de mentalidade necessária para a transformação das empresas, frente aos desafios atuais. Quanto à colaboração, eu destacaria “from hierarchies to networks” e “from controlling to empowering”.

organization-transformation